Subindo o Jungfrau: o topo da Europa!


Jungfraujoch: o topo da Europa
   Ontem, ao contar sobre esta viagem, me perguntaram qual tinha sido o seu ponto alto e, sem sombra de dúvidas, a minha resposta foi: subir o Jungfraujoch.
   Quando comentei que ir para a Suíça é caro, mas que vale a pena cada centavo gasto, certeza de que isto inclui ir até o topo da Europa. Durante a viagem conversei com algumas pessoas que ainda tinham dúvida se valeria a pena ir até lá, mas o que posso contar é que foi a coisa mais legal que fiz no País. E olha que gostei de praticamente tudo!
   O Jungfrau é uma montanha que faz parte dos Alpes da região do Vale de Grindelwald e seu cume chega a 4.000 metros. O passeio, feito através do Jungfraubahn que é a estrada de ferro que conduz o trem, nos leva até a estação de Jungfraujoch. Este é o ponto mais alto da Europa em que podemos chegar de trem. E ali temos a incrível vista destes enormes Alpes, uma das coisas mais bonitas que já vi na vida!

Como chegar:

   O início da subida se dá pelas estações de trem de Interlaken. São duas estações na cidade: Interlaken Ost e Interlaken West e, de uma delas, você pegará o trem em direção a Lauterbrunnen ou Grindelwald.
   O ideal é sair bem cedinho e subir por uma cidade e descer por outra para poder conhecê-las e dar uma voltinha antes e depois da subida ao topo. Eu escolhi subir por Lauterbrunnen, mas não circulei por lá. A ansiedade era muita para começar a jornada até o topo da Europa. 
  Ao chegar em Lauterbrunnen ou Grindewald tomamos outro trem que segue para Kleine Scheidegg e a partir daí este trecho não é mais coberto pelo Swis Pass. Na estação de trem de Lauterbrunnen compramos o nosso bilhete de acesso para o Jungfrau e partimos para Kleine Scheidegg.

Em Kleine Scheidegg: ali estava bem "fresquinho": -6,5º depois piorou! rs
Estação de trem em Kleine Scheidegg
A viagem de trem passa por vários túneis e paradas para observação
   Ao tomar o trem em Kleine Scheidegg começamos a viagem em direção ao Jungfraujoch, mas até se chegar lá fazemos várias paradas para observação dos Alpes. Somos apresentados aos poucos e, a cada subida, a vista vai ficando mais bonita.
   Kleine Scheidegg fica a 2.061 metros e o Jungfraujoch esta a 3.454 metros.
   Ao chegar no Jungfraujoch fazemos um percurso com algumas paradas como exibição de um pequeno filme sobre o local, terraço que possui vista para a cadeia de alpes da região, palácio de gelo (achei sem graça), snow fun (que estava fechado na data em que fui ), sendo a principal parada o Glacier Plateau, local onde podemos andar por um trecho da montanha e pisar na neve a 3.454 metros!!

   É sensacional chegar até aquela altura e dar de cara com toda aquela neve e alpes. A sensação de liberdade é total. Colaborou o fato do tempo estar bom e o céu muito azul.  A vista ficou perfeita!
   O "problema" é o vento.... Ahhhh o frio era grande! Tirar a luva por alguns segundos para tirar uma foto já era o suficiente para se congelar os dedos. Temperatura de -12!!!

No terraço somos apresentados a isso!!
Perfeito
Olha isso que eu vi! Ahhh o meu Rio de Janeiro!
Ainda do terraço
Palácio de gelo: achei bem sem graça
Chegando no Glacier Palteau
Alpes e neve
Podemos caminhar por um trecho da montanha e sentir a neve!
Frio e muito vento!
    Apesar do frio e do vento, após a primeira parada no Glacier Plateau, não resisti e retornei para ficar mais um pouco. Afinal, não é todo dia que estamos no topo da Europa.Virei criança e nem percebi que estava congelando. hehehe









   No local há restaurante, lanchonete e a loja de chocolate da Lindt. Preferi economizar e levar um lanche, pois a ordem na Suíça é sempre poupar, quando possível... rs No geral os chocolates da lindt custam o mesmo preço nos mercados e não achei vantajoso comprar lá.

Loja da Lindt
Lindt
Paraíso
   Depois de passar um tempo no Jungfraujoch, chegou a hora de descer e conhecer Kleine Scheidegg. Nos deparamos com as estações de esqui e o movimento é grande de gente chegando e saindo para esquiar. A paisagem de lá também é linda e podemos fazer uma caminhada pela neve e observar as pessoas esquiando.

O movimento para o esqui é grande





Ficou tosco, mas foi o meu primeiro boneco de neve! 
   Ainda fiz uma parada em Grindewald, cidadezinha nos pés dos alpes. Foi uma volta rápida porque eu estava literalmente congelada com o frio e vento que peguei no Jungfraujoch. rs A alma carioca nestas horas aumenta o frio, que já é intenso.
   Grindelwald também possui todo o movimento de esquiadores, muitos se hospedam lá para poderem acessar as estações da região.

Bem pequena a cidade.
Frio
Preço:

   O Swiss Pass dá 25% de desconto e o valor do bilhete ficou por 135 francos suíços.

   E assim foi o meu dia e com certeza foi um dos melhores na Suíça. 

Suíça: impressões gerais


   Já escrevi aqui sobre o meu ímpeto de comprar passagens promocionais, seja para onde for.
Esta última viagem não foi diferente. A ideia era passar o fim de ano viajando e uma promoção da Alitalia para várias cidades da Europa veio bem a calhar. Consegui comprar passagem para Milão, mas como fiz duas viagens recentes para a Itália decidi de lá seguir para outro País. O destino escolhido foi a Suíça, pertinho do norte da Itália e a princípio desconhecido para mim, mas bateu uma vontade de ver neve pela primeira vez! Uma amiga também queria passar um pouco de frio e lá fomos nós!
   Chegamos dia 31/12 em Milão e de lá seguimos para a virada de ano na cidade de Como, quase na fronteira com a Suíça. Ainda vou postar aqui sobre Como, mas já adianto que a cidade é linda e merece uma visita!

Luzern


Roteiro:

   Chegamos na Suíça no dia 01/01 e ficamos até o dia 12/01 e, nestes poucos dias, procuramos conhecer um pouco de todas as paisagens do País. Conhecemos mais a parte alemã, mas deu para ter uma noção do que é a parte francesa e italiana também.
   Como base para hospedagem, as cidades escolhidas foram: Luzern, Interlaken, Zermatt e Lugano.  Além destes locais, ainda passamos por: Bern, Thun, Grindewald, Montreux, Lausanne, Visp e Locarno. 
    Visitando estas cidades tive vistas belíssimas dos alpes e lagos suíços e, com exceção de Lausanne e Visp (urbanas demais), amei tudo!
   O País é lindo e com a neve a paisagem se torna ainda mais bonita.

Lugano

Bern

Thun

Do alto do Jungfraujoch

Montreux

Interlaken

O Matterhorn

De trem entre a Suíça e Itália


Dinheiro:

   A Suíça é bem cara, mas se te serve como consolo, cada centavo gasto vale a pena. Antes de viajar cheguei a me arrepender de ter escolhido um destino tão caro, mas quando cheguei e me surpreendi com tudo que vi, percebi que valeu, e muito, a pena. A maioria dos passeios são caros e ao meu ver indispensáveis se você estiver por lá e isso torna a viagem bem "salgada". Mas passeios como o Topo da Europa e o Gornergrat para admirar o Matterhorn são inesquecíveis e recompensadores!!!
   A moeda local é o Franco Suíço.

Swiss Travel Pass:

   O País tem uma rede ferroviária simplesmente fantástica! De trem você viaja para qualquer parte e o serviço é incrivelmente pontual e organizado.
   O Swiss Pass te dá o direito de viagens de trem ilimitadas pelo período comprado. Você pode comprar o passe para viagens a partir de três até quinze dias. Antes da minha viagem existia a opção do Swiss Pass Saver, na qual quem viajava acompanhado conseguia um desconto maior na compra. Mas agora só resta a opção de compra individual. Para mais informações acesse o site.
   É bem tranquilo comprar o passe nas estações de trem nas lojas da SBB CFF FFS. Não vimos necessidade de comprar online aqui no Brasil, pois há cobrança de taxas e comprando na hora você "só paga" pelo swiss pass.  Dos doze dias no País, utilizamos oito dias de viagens de trem ilimitadas e aproveitamos!
   Além das viagens em trem, o swiss pass oferece gratuidade em alguns museus e descontos em várias atrações no País, incluindo o Topo da Europa (Jungfraujoch), Gornergrat  e Glacier Paradise (Matterhorn). Só contando estas  atrações que citei já vale e muito. 
   É obrigatório a apresentação do passaporte para a compra e o Swiss Pass é nominal. Durante as viagens um fiscal sempre irá solicitar a apresentação do Swiss Pass e do seu passaporte.

Swiss Pass

Comida:

   Come-se muito bem por lá e nada melhor que esquecer o colesterol e a dieta por uns dias e desfrutar dos queijos, fondue, raclette, batata rosti e as deliciosas massas, estas na parte italiana.   
    Como forma de "baratear" a hora de comer dá para mesclar dias de refeições em restaurante com dias de refeições mais em conta. A dica de ouro é o Supermercado Coop. Esta rede é facilmente encontrada em todo o País e praticamente em todas as estações de trem encontramos um Coop. Lá você poderá comprar vinho francês e queijo suíço do bom, claro, pagando bem em conta. Outra coisa tentadora é o chocolate!!! Tudo baratinho no mercado... Aff
  Mas se permita a um rodízio de fondue (queijo e chocolate) e Raclette, simplesmente dos deuses! :)

Raclette

Como resistir a esta prateleira de mercado?

Fondue de chocolate

Fondue de queijo

Batata rosti simplesmente divina!

   No final da viagem bateu aquela tristeza de ter acabado,  confesso que já estava entrando no clima da neve e do frio. rs Recomendo uma viagem para lá, pois você ira se surpreender e se encantar com tanta beleza. Foi tudo bom demais! 

   



Bahia em três dias


Praia do Forte: perfeita para dias tranquilos com muito Sol

Minha última viagem foi para a Bahia. Aproveitei um feriado em uma segunda-feira e finalmente conheci esta terra linda!
Tive como companhia uma amiga que já conhecia bem o lugar e fez um roteiro bem legal!
Como queríamos curtir uma praia, reservamos o sábado e domingo para a Praia do Forte no Município de Mata de São João. No domingo de noite voltamos para Salvador e lá passamos a segunda-feira.
Deu para unir o útil ao agradável: praia e um passeio pela história do Pelourinho.

Praia do Forte

Chegamos na sexta-feira de noite em Salvador e fomos direto para Mata de São João, distante cerca de 60 km da capital.
Optamos por alugar um carro. Apesar de na Praia do Forte ser tudo perto e o carro ficar parado quase todo o tempo, o deslocamento do aeroporto até lá foi facilitado e também pudemos circular a vontade por Salvador. Para mim foi melhor estar de carro.
Se você preferir ir de ônibus, acesse este link para mais informações: Expresso Linha Verde.
No próximo post irei escrever sobre os dias na Praia do Forte, mas o lugarejo é bem charmoso e cheio de lojas e restaurantes bem legais. O comércio, no geral é bem caro, mas há boas opções de restaurantes na vila. Boa comida é o que não falta por lá.
Meus dias foram basicamente ficar na praia o dia todo! :) A praia possui boa infra-estrutura com alimentação, aluguel de cadeira e guarda-sol. Precisa de mais o que?

Paisagem perfeita para descansar uns dias.
Vila tranquila e charmosa.
Dias perfeitos.
Tivemos um dia em Salvador. Tempo suficiente para andar pelo Pelourinho, Elevador Lacerda, conhecer o Mercado Modelo, Igreja do Bonfim e ainda experimentar o famoso sorvete da Sorveteria da Ribeira e a Tapioca em Itapuã! Digo que foi suficiente porque conheci os principais pontos da cidade e, na minha opinião, já deu para ter uma noção da capital baiana. Foi bem melhor aproveitar mais dias na praia!
Também irei escrever detalhadamente como foi o meu dia em Salvador, mas conhecer o Pelourinho e comer tapioca foram experiências inesquecíveis.
Outro ponto positivo é a hospitalidade baiana. Das hospedagens até aos estabelecimentos comerciais que utilizamos, os serviços prestados foram ótimos. Estar no nordeste é sempre bom.

Fitas do Senhor do Bonfim e o Pelourinho.
Pelourinho.
Elevador Lacerda.
Tanto em Salvador como na Praia do Forte há inúmeras opções de hospedagem para os mais variados orçamentos. Para ajudar na sua escolha, você pode acessar o site da Trivago e escolher de acordo com o que deseja.
Ao final da viagem veio aquela sensação de satisfação por ter conhecido mais um lugar tão lindo. Foram três dias de muito Sol, hospitalidade e boa comida. Em breve detalho tudo para vocês!
 

Roteiros da Lu Copyright © 2012 Tema base de Ipietoon | Design por Bruberries